.+*♥*+..+*♥*+..+*♥*+..+*♥*+..+*♥*+..+*♥*+..+*♥*+..+*♥*+.

Os imortais vivem entre nós, poesias lindas e feitas de brisa do amanhecer!

Quero fazer um convite, quero conhecer vossos gostos!

Vou postar poesias dos imortais que cada um me mandar, aquela que te faz vibrar, manda-me por email, face, blog, msn, qualquer maneira!

kiromenezes@hotmail.com

Manda-me sua poesia Imortal!

'+*♥*+..+*♥*+..+*♥*+..+*♥*+..+*♥*+..+*♥*+..+*♥*+..+*♥*+'

•○•.._____________..•○•

Vicio (Machado de Assis)

segunda-feira, 14 de março de 2011

Vicio 
Machado de Assis

Eras pálida. E os cabelos,
Aéreos, soltos novelos,
Sobre as espáduas caíam . . .
Os olhos meio-cerrados
De volúpia e de ternura
Entre lágrimas luziam . . .
E os braços entrelaçados,
Como cingindo a ventura,
Ao teu seio me cingiram . . .


Depois, naquele delírio,
Suave, doce martírio
De pouquíssimos instantes
Os teus lábios sequiosos,
Frios trêmulos, trocavam
Os beijos mais delirantes,
E no supremo dos gozos
Ante os anjos se casavam
Nossas almas palpitantes . . .
Depois . . . depois a verdade,
A fria realidade,
A solidão, a tristeza;
Daquele sonho desperto,
Olhei . . . silêncio de morte
Respirava a natureza —
Era a terra, era o deserto,
Fora-se o doce transporte,
Restava a fria certeza.


Desfizera-se a mentira:
Tudo aos meus olhos fugira;
Tu e o teu olhar ardente,
Lábios trêmulos e frios,
O abraço longo e apertado,
O beijo doce e veemente;
Restavam meus desvarios,
E o incessante cuidado,
E a fantasia doente.


E agora te vejo. E fria
Tão outra estás da que eu via
Naquele sonho encantado!
És outra, calma, discreta,
Com o olhar indiferente,
Tão outro do olhar sonhado,
Que a minha alma de poeta
Não vê se a imagem presente
Foi a imagem do passado.


Foi, sim, mas visão apenas;
Daquelas visões amenas
Que à mente dos infelizes
Descem vivas e animadas,
Cheias de luz e esperança
E de celestes matizes:
Mas, apenas dissipadas,
Fica uma leve lembrança,
Não ficam outras raízes.


Inda assim, embora sonho,
Mas sonho doce e risonho,
Desse-me Deus que fingida
Tivesse aquela ventura
Noite por noite, hora a hora,
No que me resta de vida,
Que, já livre da amargura,
Alma, que em dores me chora,
Chorara de agradecida!







6 Encantamentos::

Sam disse...

Quanta beleza há por aqui, combinou muito com esse dia azul daqui.

Abraços, flores e estrelas, Kiro...

R.B.Côvo disse...

Uma bela escolha para o dia nacional da poesia. Abraço, Kiro.

soniaconslt disse...

O teu dia é hoje, pequenino lápis da Dama poesia.
Um lindo presente para todos nós que nos embriagamos com teus desejos e gracejos,
Um baú de tesouro que caiu em nossos humildes pés de plebeus e que agora cativos do teu brilho não podemos mais fugir
Um doce e meigo presente dos acaso ou até mesmo destino, por que não. Anjos existem e moram nos corações mais preparados para ofertar o que tem de bom, o amor!
Uma poetisa como tu, inebria e contagia a quem de ti se aproxima.
Parabéns e uma boa semana

Sobre o Tempo disse...

Oi Kiro! Gostei muito dos comentários. Bjs!

Lena disse...

Kiro,
Lindo demais! Mas não posso deixar de elogiar também a escolha da imagem: quanta delicadeza! E tudo a ver com o poema!Beijos mil!!

silvioafonso disse...

.

O texto de hoje se refere a
Santos Dumont, mas a mulher
nele, contida, é você...

silvioafonso






.